Versão para impressão Enviar por E-mail

WYZIUM

 Composição: Proteínas animais transformadas – Carbonato de cálcio; Aditivos por Kg: Taurina: 166 g – Extrato de curcuma (tecnologia Phytosome®): 55,5 g - Vitamina C: 55,5 g – Vitamina E: 44,4 g – Superóxido dismutase (SOD B (Extramel®): 145 000 UI – Zinco (Oxido de zinco): 5,9 g – Luteína: 2380 mg – Zeaxantina: 475 mg – Selénio (seléniometionina): 11,10 mg – Crómio (Picolinato de crómio): 5,95 mg; Constituintes analíticos: Proteína bruta: 22.3 % - Gordura bruta: 7,4 % - Cinzas brutas: 25,4 % - Fibras brutas: 12,2 % - Humidade: 3,2 % - Na: 0,24 %.
Características:
O olho ou globo ocular é um aparelho muito sensível ao envelhecimento em virtude da sua exposição prolongada e intensa à luz solar e das suas elevadas necessidades em oxigénio, associadas a uma produção elevada de radicais livres: o cristalino e a retina são um “terreno” fértil para o aparecimento de um “stress” oxidativo.
Este “stress” oxidativo desencadeia, ao nível do cristalino, uma alteração da composição e da estrutura das proteínas que em consequência, dão origem ao aparecimento de fibras do cristalino (os cristalinos) responsáveis elas sim pela opacificação do mesmo, e à oxidação dos ácidos gordos presentes nas membranas celulares retinianas conduzindo à sua prematura alteração.
O cristalino e a retina beneficiam de uma capacidade antioxidante natural muito poderosa de modo a que em condições fisiológicas conseguirem opor-se a este processo. Contudo com o adiantar da idade trás consigo a diminuição inexorável do teor destes antioxidantes fisiológicos.
WYZIUM foi concebido com base nos estudos1) que conseguiram em humanos quantificar e definir os micronutrientes antioxidantes essenciais à manutenção da função ocular. (1) Estudos em larga escala (AREDS, POLA, AREDS 2, ALIENOR).
WYZIUM é uma associação de vitaminas (E e C), taurina (o aminoácido antioxidante mais abundante no cristalino e na retina), proantocianidinas, oligoelementos (Zinco, Selénio, Crómio) e pigmentos carotenoides (luteína e zeaxantina) ao qual se adicionou o único antioxidante primário utilizável por via oral (SOD B ExtramelR) o que permite maximizar os mecanismos de defesa protetora antioxidante, permitindo deste modo recuperar os elevados níveis de proteção antioxidantes naturais ao nível da retina
Utilização:
Nas doses e modo de emprego recomendados, as substancias fornecidas em cada comprimido de WYZIUM contribuem nos cães e nos gatos com mais de seis anos para:
- Atrasar o aparecimento e progressão da opacificação do cristalino,
- Manter as funções da retina,
Modo de emprego:
Administre diretamente na boca ou incorporado no alimento diário: (1) um comprimido por cada 15 Kg de peso, uma vez ao dia e em administração continuada. Por terem boa palatibilidade os comprimidos de WYZIUM são normalmente bem aceites pelos cães e pelos gatos.
Os comprimidos de WYZIUM são compatíveis com os regimes dietéticos dos cães e dos gatos com insuficiência cardíaca e ou renal, devido aos teores reduzidos em fósforo, potássio e sódio.
Doses indicativas:
Gato ou cão com peso inferior a 5 kg
½ comprimido dia sim dia não
Gato ou cão com peso entre 5 e 10 kg
1/2 comprimido por dia
Cão com peso entre 11 e 18 Kg
1 comprimido por dia
Cão com peso entre 19 e 25 Kg
1 + ½ comprimidos por dia
Cão com peso entre 26 e 35 Kg
2 comprimidos por dia
Cães com peso superior a 36 Kg
2 + ½ comprimidos por dia
Conservar ao abrigo do calor e da humidade. MANTER LONGE DO ALCANCE E DA VISTA DAS CRIANÇAS.
Antes da administração consulte sempre o seu médico veterinário.
PL: WYZIUM está disponível em embalagens de 18 g, 36 g, 72 g, 144 g correspondentes a 1, 2, 4, 8 blisters de 20 comprimidos secáveis.
Fabricado na EU para laboratoires MOUREAU – 95270 LUZARCHES (F), α-FR95352011; Responsável pela colocação em circulação: FLYINGVET LDA, Rua Francisco Xavier Mignone, nº 1, 1º Dto, Cotovia, 2970-305 Sesimbra. Registo DGAV: V-PAA 51246/PT5AA5171T
MEAPET0071-FI
Nutraceuticos sofcanis
Suplementação nutricional antioxidante de suporte ao metabolismo ocular
Objectivos: Opacificação do cristalino, Degenerescência da retina, Astenia física.
ANTIOXIDANTES
Vitamina E: Protege as membranas constituídas por ácidos gordos polinsaturados, sujeitas ao stress oxidativo (principalmente ao nível das mitocôndrias) impedindo a proliferação dos radicais livres piróxilos.
Vitamina C: Para além da sua natural atividade antioxidante apresenta uma atividade regeneradora da vitamina E.
Zinco: Presente em fortes concentrações nos tecidos ocular, retiniano e coroidiano, o zinco permite a transformação da vitamina A em pigmento captador de luz e interage com a Taurina1).
Taurina: É o aminoácido mais abundante ao nível do cristalino e da retina, protege as células fotorreceptores dos efeitos negativos provocados pela radiação ultravioleta. Uma suplementação exógena de Taurina permite assegurar os níveis fisiológicos protetores, os quais diminuem naturalmente com a o avançar da idade2).
Selénio: É indispensável ao bom funcionamento das enzimas (entre elas a Glutatião peroxidase) que destroem os radicais livres.
Crómio: Participa na manutenção da função ocular, melhorando o metabolismo dos glúcidos nos animais diabéticos3).
PIGMENTOS CAROTENOIDES
Luteína – Zeaxantina: Fisiologicamente estes dois aminoácidos estão presentes em elevadas concentrações ao nível da retina e do cristalino, absorvendo a luz azul ( a frequência de radiação mais tóxica para o olho) e evitando a produção maciça do anião superóxido muito prejudicial.
O apport diário destes dois aminoácidos mantém ou aumenta a densidade pigmentar ótica com manutenção ou mesmo incremento da performance visual, permitindo simultaneamente compensar a diminuição (associada ao avanço da idade) da conversão natural da luteína e da zeaxantina4).
SOD B ExtramelR
A Superóxido dismutase selecionada para a formulação de WYZIUM incorpora uma proteção ácido-gástrica de modo a garantir a sua atividade / biodisponibilidade mesmo quando administrada por via oral.
Ao alcançar o lúmen intestinal, a Superóxido dismutase vai ativar a via da Nrf2/ARE e a partir daí assegurar a expressão endógena das três (3) enzimas antioxidantes mais importantes por diretamente implicadas na primeira linha de defesa contra o anião superóxido: a Superóxido dismutase, a Catálase e a Glutatião peroxidase5)6)7).
Esta suplementação assegura a recuperação das defesas antioxidantes naturais, de forma ótima, permitindo inclusive atrasar os efeitos perniciosos da diabetes sobre o metabolismo do globo ocular e logo da visão.
Bibliografia:
(1) Grahn B.H. et al. Zinc in the eye. Am. Coll. Nutrition 2001; 20(2): 106-118. PMID:11349933 [PubMed - indexed for MEDLINE]
(2) Ripps H., Shen W. Review: taurine, a very essential amino acid. Molecular Vision 2012; 18: 2673-2686. Published online 2012 Nov 12. PMCID: PMC3501277
(3) Cefalu W.T. and Hu F.B. Role of Chromium in human health and in diabetes. Diabetes Care 2004; Vol. 27, nº 11, 2741-2751.
(4) Thorne Research. Lutein and Zeaxanthin. Alternative Medicine Review 2005. Volume 10, Nº2 128-135
(5) Carillon J. et al. Short-term assessment o toxicological aspects, oxidative and inflamatory response dietary melo superoxide dismutase in rats. Foods and Chemical Topxicology 2013; 55: 323-328).
(6) Carillon J. et al. Endogenous antioxidante defense indiction by melon superoxide dismutase reduces cardiac hypertrophy in spontaneously hypertrophy in spontaneously hypertensive rats. Foods Sciences and Nutrition
(7) Jarret S.G., Boulton M.E. Consequences of oxidative stress in age-related macular degeneration. Molecular Aspects of Medecine 2012. (33): 399-417. (8) Berthoud V.M., Beyer E. C. Oxydative stress, lens gap junctions, and cataracts. Antioxidants and Redox Signaling 2009; Vol. 11, N°2: 339-353. (9) Allegri P. et al. Management of chronic anterior uveitis relapses: efficacy of oral phospholipidic curcumin treatment. Long-term follow-up. Clinical Ophtalmology 2010; 4: 1201-1206. (10) Kowluru R.A., Kanwar M. Effects of curcumin on retinal oxidative stress and inflammation in diabetes. Nutritionnal and Metabolism 2007; 4:8. (11) Cuomo J. et al. Comparative absorption of a standardized curcuminoid mixture and its lecithin formulation. J. Nat. Prod. 2011; 74(4): 664-669.PMID: 21413691[PubMed - indexed for MEDLINE]

 

Novidades

Flyingvet no Facebook


Flyingvet Lda no Facebook

Translator

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
Widget by : Joomla Tutorial